Fred Jones, Daphne Blake, Velma Dinkley, Norville "Salsicha" Rogers e Scooby-Doo compõem a turma de detetives adolescentes que resolvem mistérios conhecida como Mistério, S/A que vivem em uma pequena cidade chamada Baía Cristal. A geração mais velha e os pais usam a longa história da cidade de fantasmas e aparições de monstros para trazer turistas e desencorajar a Mistério, S/A de resolver os mistérios. Enquanto resolvem mistérios e provam que os monstros são falsos, um misterioso personagem novo, conhecido como Sr. E adverte-os a parar de resolver os mistérios antes de revelar um segredo profundo e obscuro de Crystal Cove.

É com essa sinopse que dou início ao review de Scooby-doo! Mistério, S/A, uma das minhas séries preferidas EVEEER!

Acompanho os desenhos do Scooby desde que me conheço por gente. Sempre assisti desenho no SBT de manhã e adorava ouvir o “Scooby-Doo, meu filho, cadê você?” HEHEHE. Então, aos seis anos de idade assinamos nossa primeira TV fechada e passei hoooooooras assistindo a programação infantil desde então. O que não faltou? Scooby, é claro! De lá pra cá, as “crianças enxeridas” e o tal “cachorro idiota” se tornaram minhas referências em animação e em diversão. Se tenho um mistério em mãos, é à essa turma que eu peço ajuda pra solucionar.

Como é esperado, os anos se passaram e as várias versões da turma foram surgindo. Desde as primeiras versões do desenho dos anos 70, passando por Scooby-Doo, cadê você?, Ho-Ho Olímpicos, Os 13 Fantasmas do Scooby-Doo e sem esquecer, de forma alguma, o clássico O Pequeno Scooby-Doo que embalava os meus sábados e o “um pouco mais recente” O Que Há De Novo Scooby-Doo (com aquela abertura massa do Simples Plan :D), consegui acompanhar quase todas as versões do nossos heróis. Mas quando o Cartoon Network anunciou uma nova animação em 2010 eu não pude acreditar que teriam coragem de continuar o que tinham feito, ou melhor, desfeito, com Salsicha e Scooby-Doo Atrás das Pistas (aquilo nunca foi Scooby-Doo!). Completamente relutante e com mínimas expectativas para Scooby-Doo Mistério, S/A, queimei minha língua ao me apaixonar pela série! Ela se mostrou tudo que podia ser de bom e muito mais. Trouxe, pela primeira vez, uma linearidade às histórias da turma, um plot interessantíssimo e histórias de plano de fundo que jamais poderíamos imaginar tanto para os já conhecidos e adorados/odiados personagens quanto para os novos.

Assisti os episódios pela internet (legendados) porque não conseguia esperar para vê-los mas aguardava ansiosamente pela versão nacional, com todas as vozes que adoramos desse grande clássico. Orlando Drummond no Scooby, Mário Monjardim no Salsicha, Peterson Adriano no Fred (atualmente, já que o Luís Manuel deixou de dublar o personagem 1998) e a Nair Amorim e Jurariára Diácovo na Velma e Daphne, respectivamente. E minhas preces foram atendidas! Adorei poder acompanhar a série na sua versão dublada (mesmo o Cartoon nos fazendo sofrer com o lançamento dos episódios e umas reprises meio lokas), com sua tradução e elenco impecável. Porém, nem tudo são flores. Num belo dia simplesmente a Warner decidiu que estava na hora de “atualizar” as vozes de todos os personagens da turma. A partir de então, tudo que fosse relacionado ao universo do Scooby teria novas vozes. Filmes, produtos, comerciais e, por incrível que pareça, uma série que ainda estava em andamento: Mistério SA. Por que raios uma empresa tira a voz de um personagem de mais de 40 anos de história?! Nada contra os profissionais do novo elenco, que por sinal são excelentes profissionais. Antes eles do que outros quaisquer, mas gente… Minha revolta com a dublagem não é com a dublagem em si, mas com a falta de respeito que aconteceu com ela.

Escrito por Robson Ugo Souza
Estudante universitário de Sistemas de Informação, iniciante em Publicidade e Propaganda, artista de alma, desenhista de infância, cantor de chuveiro (de chuveiro MESMO), escritor meia-boca e, claro, não menos importante: futuro dublador. Namorido da Bruna Cortez.